Selecione a fonte desejada
Menu

Azevém: o que é, características e como controlar no trigo

Uma nova safra de trigo está se aproximando e junto com ela surgem as dúvidas no campo de como manejar as plantas daninhas de maneira eficaz. E quando entramos nesse assunto a primeira invasora do trigo a ser lembrada sem dúvidas é o azevém. Mas por que o azevém ano após ano é motivo de preocupação entre os agricultores? Confira o nosso texto e fique por dentro do assunto.
COMPARTILHE ESTE ARTIGO
FacebookTwitterLinkedinWhatsApp


O que é azevém (Lolium multiflorum)?


O azevém (Lolium multiflorum) é uma planta daninha amplamente distribuída em regiões temperadas do sul do Brasil, pois esta espécie é citada como uma das poucas Poaceas (gramíneas) capaz de ter um pleno crescimento e desenvolvimento durante a estação fria do ano.

O azevém infesta principalmente a cultura do trigo além de outros cultivos de inverno como aveia, canola, cevada, etc. Por outro lado, para pecuaristas gaúchos trata-se de uma das principais opções forrageiras para o período de inverno, sendo amplamente cultivado na metade sul do estado, principalmente devido a qualidade forrageira e adaptabilidade em várias regiões.

Além disso, em algumas regiões do estado o azevém ainda pode ser usado apenas como planta de cobertura durante o período de inverno.



Características do Azevém  


As mesmas características que fazem do azevém uma boa opção forrageira para suprir a demanda animal durante o inverno também o garantem como uma planta daninha com alto potencial competitivo com as culturas de inverno, em especial o trigo. Isso porque trata-se de uma gramínea anual que tem potencial de garantir a ressemeadura natural da espécie para o próximo ano; excelente quando pensamos em pastagem, mas uma grande dor de cabeça para o produtor de trigo.

Além dessa característica possui um sistema radicular altamente ramificado e denso com grandes quantidades de raízes adventícias e fibrosas. Quanto aos colmos, estes são cilíndricos e eretos, podendo-se tornar decumbentes, e podem atingir cerca de 100-120 cm com lâminas foliares brilhantes.

Essas características somadas a presença de lígulas e aurículas características, podem ajudar na diferenciação desta espécie dentro dos cultivos de aveia, trigo e de outros cereais de inverno.

Vale lembrar que o primeiro passo para controle e manejo  do azevém em cereais de inverno é a identificação precoce da espécie nas áreas somado a praticas de manejo eficazes na contenção da espécie.



Qual o impacto do azevém na produtividade do trigo?


A taxa de crescimento das plantas de azevém é superior as plantas de trigo e podem impactar consideravelmente o perfilhamento da cultura, absorção de nutrientes, fotossíntese e os aspectos gerais de crescimento do trigo que irão impactar na produtividade final de grãos da cultura.

Estudos indicam que apenas 1 planta de azevém por metro quadrado reduz 0,4 % a produtividade final de grãos do trigo, podendo essa porcentagem ser maior ainda dependendo da cultivar de trigo, solo, clima, entre outros fatores. Essas observações reforçam a necessidade de adoções de praticas de manejos eficientes e precoces.

Pesquisas indicam na média que entre os 10 e 30 dias após a emergência da cultura é imprescindível que se mantenha a lavoura livre da presença de azevém, sendo recomendado priorizar o controle de azevém desde a dessecação pré-plantio até o final do ciclo da cultura, evitando o estabelecimento e produção de sementes da infestação na área.



Mas como eu controlo o azevém no trigo?


O controle químico do azevém após o estabelecimento da cultura do trigo é dificultado devido a grande similaridade morfológica e fisiológica entre as espécies, logo existem poucos herbicidas seletivos para o trigo e eficientes no controle do azevém.

Nesse sentido, é importante seguir a regra clássica de “semear no limpo” e manter a cultura no “limpo”. Essa regra significa fazer o manejo de dessecação com os produtos eficazes no controle de azevém e outras plantas daninhas, além de usar herbicidas residuais (pré-emergentes) para agir no controle de novos fluxos de azevém principalmente nos estágios iniciais da cultura.

Todavia, hoje no mercado existem poucas moléculas registradas e seletivas para o trigo na modalidade de aplicação pré-emergente e esses herbicidas em geral demandam elevado conhecimento técnico em sua utilização.

Vale ainda, lembrarmos a importância de manter o trigo livre de invasoras nos estágios iniciais onde a definição do teto produtivo está sendo construído.

Por fim, após a emergência da cultura apesar do leque de opções herbicidas para controle ser mais amplo, cabe o produtor monitorar o estágio das plantas de azevém para que o controle da invasora seja realizado o mais precoce possível, onde a maioria das moléculas disponíveis no mercado tem espectro de controle restrito aos estágios de 3-4 folhas.



Conclusão


O azevém é sem dúvidas a planta daninha de maior importância na cultura do trigo, devido as suas características de crescimento e desenvolvimento, habilidades de dispersão e potencial da redução de produtividade no trigo. Assim, o manejo da invasora é baseado em planejamento e identificação da espécie, envolvendo  a escolha dos herbicidas adequados para a dessecação pré-plantio, o uso de herbicidas pré-emergentes eficazes e seletivos para o trigo e controle precoce em pós-emergência nos estágios iniciais da cultura.

Portanto, fique atento, a construção de altas produtividades no trigo já começou!

Ficou com dúvidas? Procure a unidade da 3 Tentos mais próxima e converse com nossos consultores



Developed by Agência Jung
X

Inscrição PAP Digital Versão BETA

O PAP é uma ferramenta desenvolvida por consultores 3tentos para produtores rurais
*Campos obrigatórios
Enviar
Logo 3tentos Original em Vetor

Mande sua mensagem

Selecione um assunto
Comercial Insumos
Comercial Grãos, Óleo e Farelo
Trabalhe Conosco
Indústria de Extração e Biodiesel
*Campos obrigatórios
Enviar
Logo 3tentos Original em Vetor
Entrar em contato
CotaçõesCotações
Soja
Dólar
Bolsa Chicago
Referência: 14/05/2021
Produto Último Máxima Mínima Abertura Fechamento %
[CBOT] Arroz 13,42 13,33 -0.22%
[CBOT] Farelo 431,5 423,5 0.00%
[CME Milk Futures] Leite 18,87 18,99 18,87 18,98 18,88 -0.79%
[CBOT] Milho 692,5 718,75 685 717,25 685 -4.73%
[CBOT] Óleo de Soja 68,59 68,41 +0.54%
[CBOT] Soja 1602,5 1625 1620,75 1625 1603,75 -0.53%
[CME Lean Hog Futures] Suínos 111,15 111,575 111,15 111,45 111,15 -0.29%
[CBOT] Trigo 737 730,25 727,25 730,25 727,25 +0.10%
Referência: 13/05/2021
Produto Último Máxima Mínima Abertura Fechamento
[CME Milk Futures] Leite 18,95 19,1 18,94 19,05 19,03
[CBOT] Arroz 13,765 13,36
[CBOT] Farelo 424,7 448 427 448 423,5
[CME Lean Hog Futures] Suínos 111,475 111,925 111,2 111,775 111,475
[CBOT] Soja 1612 1657 1598 1657 1612,25
[CBOT] Milho 729 776,5 709,75 757,5 719
[CBOT] Óleo de Soja 69,05 71,91 70,85 70,85 68,04
[CBOT] Trigo 730 756,5 737 750 726,5
Frequência de atualização: diária