Selecione a fonte desejada
Menu

Principais biológicos utilizados nas culturas de inverno e suas características

A utilização de produtos biológicos, como Pseudomonas e Azospirillum, trazem benefícios significativos ao longo das safras, recuperando e preservando características que garantem a sanidade do solo
COMPARTILHE ESTE ARTIGO
FacebookTwitterLinkedinWhatsApp

Azospirillum


O gênero Azospirillum abrange microrganismos que vivem juntos em associação capazes de colonizar externamente e internamente órgãos vegetais, abrangendo raízes, parte área e estruturas internas. Influenciam principalmente a produção de compostos do metabolismo hormonal e fixação biológica de nitrogênio.


O Azospirillum é amplamente difundido em gramíneas, em especial milho, trigo e cana-de-açúcar, mas tem apresentado resultados promissores quando associado a Bradyrhizobium no cultivo de leguminosas. Essas bactérias são encontradas em diversos ambientes, mesmo em condições extremas. De maneira geral, são organismos que se desenvolvem em condições de baixíssimas concentrações de oxigênio e são capazes de realizar fixação biológica de nitrogênio.



(Fonte: Shinde Shalaka, Cumming Jonathan R., Collart Frank R., Noirot Philippe H., Larsen Peter E.)


São bactérias capazes de fixar nitrogênio atmosférico, disponibilizando para as plantas no formato de amônio. A mineralização realizada por essas bactérias contribui com aportes adicionais de nitrogênio para as plantas, suprindo parcialmente a quantidade necessária para o desenvolvimento de plantas não leguminosas.


Essas bactérias promovem crescimento produzindo e liberando aminoácidos e poliaminas que favorecem o sistema radicular e intensificam a absorção de água e nutrientes de plantas, consequentemente melhorando parâmetros como a medida de abertura dos estômatos nas folhas, potencial hídrico, teor de água no apoplasto, elasticidade de parede celular e tolerância a estresse hídrico.


Além disso, o uso da inoculação com Azospirillum tem refletido em maiores teores de pigmentos fotossintetizantes, essenciais para que a fotossíntese ocorra. Os diversos métodos de promoção de crescimento mediados por Azospirillum brasilense acontecem concomitantemente na planta e tem refletido em aumento no acúmulo de biomassa e produtividade.


Pseudomonas fluorescens


A bactéria Pseudomonas fluorescens é comumente encontrada no solo, água e/ou superfície das plantas e são organismos que sobrevivem em matéria morta. É uma bactéria que precisa de oxigênio, mas algumas cepas podem utilizar nitrato e realizar respiração anaeróbia (na ausência de oxigênio).


Colonizam a rizosfera de forma eficiente, promovendo o desenvolvimento e ocupando sítios de infecção (competindo com outros microrganismos e ocupando portas de entradas que seriam utilizadas por patógenos), auxiliando no controle biológico. São produtores de fitohormônios, como auxina e citocinina, e mobilizam ferro no solo. São solubilizadores de fósforo eficientes, pois tem a capacidade de produzir de ácidos orgânicos e fosfatases.


A biossíntese de auxina, citocinina e giberelina (fitohormônios) mediada por Pseudomonas fluorescens atua na promoção de crescimento das plantas em condições favoráveis ou não para o desenvolvimento vegetal, influenciando a absorção de água e nutrientes.  Estudos têm indicado aumento nas respostas de promoção de crescimento em plantas inoculadas submetidas a situações de estresse, como por exemplo salinidade, influenciando positivamente na germinação de sementes, crescimento e estabelecimento de plântulas, desenvolvimento radicular e produtividade.



(Fonte: Shinde Shalaka, Cumming Jonathan R., Collart Frank R., Noirot Philippe H., Larsen Peter E.)


Dentre esses fitohormônios, a auxina afeta todas as etapas do crescimento e desenvolvimento vegetal, especialmente o sistema radicular, estimulando a formação de raízes laterais e adventícias. O aumento da produção de auxina em plantas inoculadas com P. fluorescens tem refletido no aumento da exploração do solo por raízes secundárias, favorecendo o acesso a água e nutrientes, em especial o fósforo.


A maior parte do fósforo adicionado como fertilizante mineral é perdida naturalmente no solo, limitando a eficiência da adubação, fazendo-se necessário aumento da dose, impactando econômica e ambientalmente. A espécie bacteriana Pseudomonas fluorescens é um dos grupos bacterianos promotores de crescimento vegetal presentes no solo altamente eficazes na solubilização de fosfatos insolúveis (presentes no solo, mas não disponíveis para as plantas), combinando a produção de ácidos orgânicos (que reduzem o pH do solo) com a quelação de cátions (que competem com o fosfato por sítios de adsorção no solo).


Estudos têm revelado que a inoculação com Pseudomonas fluorescens atua no metabolismo vegetal afetando positivamente o desenvolvimento vegetal em condições desfavoráveis ao crescimento. Nestas condições, as plantas são capazes de sintetizar moléculas sinalizadoras que danificam membranas celulares e reduzem as taxas de assimilação de carbono (fotossíntese), reduzindo o ciclo vegetativo, afetando as relações fonte-dreno, alterando a composição dos compostos produzidos, entre outros danos. Quando em estresse abiótico, esses microrganismos sintetizam exopolissacarídeos e a enzima ACC deaminase, que são mecanismos chaves da promoção de crescimento.


Os exopolissacarídeos são polímeros que acumulam água com reduzida perda evapotranspirativa, auxiliando na manutenção hídrica da célula quando há estresse por seca ou salinidade. Além disso, eles participam da formação dos biofilmes, que é outra estratégia para auxiliar no estabelecimento bacteriano nas plantas. Quando há baixa disponibilidade hídrica, ocorre o aumento do potencial de água ao redor das raízes, incrementando a absorção de água e nutrientes, refletindo na matéria seca. Quando há salinidade, os exopolissacarídeos podem reduzir a concentração de sais disponíveis para as plantas e dificultar sua absorção pelas raízes. Os principais tipos de exopolissacarídeos produzidos pelas Pseudomonas são o levan, o marginalan, a celulose e o alginato, sendo que sua proporção varia em função do estresse.


A síntese de etileno resultante do estresse no organismo vegetal tem como precursor imediato o ácido aminociclopropano carboxílico (ACC). Bactérias promotoras de crescimento como a Pseudomonas produzem a enzima ACC desaminase, que sequestra a molécula de ACC produzida pela planta e produz cetobutirato e amônio, utilizados no crescimento bacteriano, diminuindo a concentração de etileno nos tecidos vegetais. Essa atividade reflete positivamente no crescimento, acúmulo de biomassa e na proteção vegetal, mitigando efeitos inibitórios do etileno.


A baixa disponibilidade natural de ferro disponível no solo aliada a competição com microrganismos levou a adaptação desses organismos para a produção de sideróforos (composto orgânico que captura ferro para os microrganismos). Essas bactérias produzem sideróforos de alta e baixa afinidade, levando a perda de elementos dos íons férricos, auxiliando no estabelecimento da bactéria na rizosfera. É um mecanismo chave na eficiência do estabelecimento da Pseudomonas nas raízes das plantas.


A associação planta Pseudomonas incrementa a absorção de ferro em solos pobres, estimula o desenvolvimento e é vantajosa para estirpes introduzidas na rizosfera que precisam se estabelecer e defender seu sítio de infecção (competência rizosférica).

Fatores bióticos e abióticos como a densidade celular, o conteúdo de carbono e aminoácidos, regulam a produção de diversos metabólitos pelas Pseudomonas, direta ou indiretamente, ligados a promoção de crescimento vegetal como peptídeos, ácidos orgânicos, antibióticos, sideróforos e enzimas de líticas.

Developed by Agência Jung
X

Inscrição PAP Digital Versão BETA

O PAP é uma ferramenta desenvolvida por consultores 3tentos para produtores rurais
*Campos obrigatórios
Enviar
Logo 3tentos Original em Vetor

Mande sua mensagem

Selecione um assunto
Comercial Insumos
Comercial Grãos, Óleo e Farelo
Trabalhe Conosco
Indústria de Extração e Biodiesel
*Campos obrigatórios
Enviar
Logo 3tentos Original em Vetor
Entrar em contato
CotaçõesCotações
Soja
Dólar
Bolsa Chicago
Referência: 14/05/2021
Produto Último Máxima Mínima Abertura Fechamento %
[CBOT] Arroz 13,42 13,33 -0.22%
[CBOT] Farelo 431,5 423,5 0.00%
[CME Milk Futures] Leite 18,87 18,99 18,87 18,98 18,88 -0.79%
[CBOT] Milho 692,5 718,75 685 717,25 685 -4.73%
[CBOT] Óleo de Soja 68,59 68,41 +0.54%
[CBOT] Soja 1602,5 1625 1620,75 1625 1603,75 -0.53%
[CME Lean Hog Futures] Suínos 111,15 111,575 111,15 111,45 111,15 -0.29%
[CBOT] Trigo 737 730,25 727,25 730,25 727,25 +0.10%
Referência: 13/05/2021
Produto Último Máxima Mínima Abertura Fechamento
[CME Milk Futures] Leite 18,95 19,1 18,94 19,05 19,03
[CBOT] Arroz 13,765 13,36
[CBOT] Farelo 424,7 448 427 448 423,5
[CME Lean Hog Futures] Suínos 111,475 111,925 111,2 111,775 111,475
[CBOT] Soja 1612 1657 1598 1657 1612,25
[CBOT] Milho 729 776,5 709,75 757,5 719
[CBOT] Óleo de Soja 69,05 71,91 70,85 70,85 68,04
[CBOT] Trigo 730 756,5 737 750 726,5
Frequência de atualização: diária