Selecione a fonte desejada
Menu

O que são produtos biológicos e como manejar na cultura do milho?

Hoje, sabe-se que um bom manejo integra vários aspectos, em especial a inclusão de biológicos, que além de eficiência, agregam em sustentabilidade e revitalização agrícola.
COMPARTILHE ESTE ARTIGO
FacebookTwitterLinkedinWhatsApp


Manejo com biológicos na cultura do milho


No Brasil, o cultivo do milho (Zea mays L.) é de grande importância comercial sendo realizada em duas épocas: primeira safra, durante o verão e a segunda safra (safrinha) durante o outono/inverno. Ambas as safras são conduzidas em condições ambientais distintas, mas igualmente expostas a fatores bióticos e abióticos que influenciam seu desenvolvimento e produtividade. A atenção com o manejo da lavoura é essencial para atingir boas produtividades e rentabilidade, pois as condições de chuva, temperatura, incidência de pragas e doenças, dentre outros fatores serão diferentes safra a safra, exigindo do produtor estar constantemente atento ao seu manejo.



Quando iniciar o manejo biológico?


O manejo biológico na cultura do milho deve ser iniciado antes do plantio, já no tratamento das sementes com o uso de inoculantes à base de Azospirillum spp. Essa bactéria atua na fixação biológica do nitrogênio, é promotora do crescimento de plantas, além de aumentar a atividade da enzima nitrato redutase, produção de hormônios vegetais (auxinas), e atuar em benefício da microbiota do solo.



Principais motivos para utilizar biológicos


No campo, fungos presentes nas sementes poderão se manifestar, causando perdas substanciais no estabelecimento da lavoura e desenvolvimento da cultura, e, consequentemente, afetando negativamente a produtividade e qualidade das sementes produzidas. Diante disso, a prática do tratamento de sementes, em especial com agentes de biocontrole, é largamente recomendado para conter a disseminação de doenças e conseguir um melhor stand inicial da lavoura, com boa densidade de plantas.



Agentes de controle


O uso de agentes de controle biológico no tratamento de sementes visa também o manejo de doenças transmitidas via sementes, como, por exemplo, as Podridões de raízes ou de colmos (Fusarium verticillioides; Diplodia maydis; Pythium spp.;). A principal característica desses patógenos é que eles invadem o grão no estádio de pré-colheita, ou a espiga, na pós-colheita, antes do debulhamento.


À Esquerda: sem manejo biológico.

À direita: com manejo biológico. Foto: Beltrame, V. (2021).



É possível realizar o manejo biológico para doenças de parte aérea?


O manejo biológico é recomendado também para doenças de parte aérea, como manchas foliares, e ferrugens. Nesse caso, o microrganismo é aplicado via foliar, atuando através de seus diversos mecanismos de ação no controle biológico das doenças. Um destes modos de ação é a capacidade de estimular as plantas a desenvolver resistência sistêmica induzida (ISR), que é a ativação do sistema natural de defesa das plantas. Outros mecanismos de ação de soluções biológicas são: competição por espaço e nutrientes, antibiose, predação e parasitismo.



Existe manejo biológico para insetos?


Sim! Existe!


Esse manejo pode ser realizado com o uso microrganismos, macrorganismos (inimigos naturais), extratos de plantas, óleos essenciais e outras substâncias de origem orgânica que apresentam mecanismos de ação eficazes no manejo das pragas. Dentre os mecanismos de ação já conhecidos dos biológicos, de ação direta ou indireta, podemos citar a predação, ação de repelência, ação desalojante, ação inseticida, ação de colonização da praga, dentre outras.



Conclusão


O aumento do uso de microrganismos na agricultura se deve pelo comprovado efeito benéfico que exercem sobre as plantas e o ambiente e eficiência no manejo de pregas e doenças além de trazerem benéficos adicionais como a promoção de crescimento de plantas, solubilização e mobilização de nutrientes, ativação do sistema de defesa das plantas etc. A busca por métodos mais sustentáveis e com melhor custo-benefício para o produtor tem alavancado o mercado de insumos biológicos no Brasil, através do uso de inoculantes e biodefensivos na cultura do milho. 




Apoio:


 

Developed by Agência Jung
X

Inscrição PAP Digital Versão BETA

O PAP é uma ferramenta desenvolvida por consultores 3tentos para produtores rurais
*Campos obrigatórios
Enviar
Logo 3tentos Original em Vetor

Mande sua mensagem

Selecione um assunto
Comercial Insumos
Comercial Grãos, Óleo e Farelo
Trabalhe Conosco
Indústria de Extração e Biodiesel
*Campos obrigatórios
Enviar
Logo 3tentos Original em Vetor
Entrar em contato
CotaçõesCotações
Soja
Dólar
Bolsa Chicago
Referência: 14/05/2021
Produto Último Máxima Mínima Abertura Fechamento %
[CBOT] Arroz 13,42 13,33 -0.22%
[CBOT] Farelo 431,5 423,5 0.00%
[CME Milk Futures] Leite 18,87 18,99 18,87 18,98 18,88 -0.79%
[CBOT] Milho 692,5 718,75 685 717,25 685 -4.73%
[CBOT] Óleo de Soja 68,59 68,41 +0.54%
[CBOT] Soja 1602,5 1625 1620,75 1625 1603,75 -0.53%
[CME Lean Hog Futures] Suínos 111,15 111,575 111,15 111,45 111,15 -0.29%
[CBOT] Trigo 737 730,25 727,25 730,25 727,25 +0.10%
Referência: 13/05/2021
Produto Último Máxima Mínima Abertura Fechamento
[CME Milk Futures] Leite 18,95 19,1 18,94 19,05 19,03
[CBOT] Arroz 13,765 13,36
[CBOT] Farelo 424,7 448 427 448 423,5
[CME Lean Hog Futures] Suínos 111,475 111,925 111,2 111,775 111,475
[CBOT] Soja 1612 1657 1598 1657 1612,25
[CBOT] Milho 729 776,5 709,75 757,5 719
[CBOT] Óleo de Soja 69,05 71,91 70,85 70,85 68,04
[CBOT] Trigo 730 756,5 737 750 726,5
Frequência de atualização: diária