Selecione a fonte desejada
Menu

Manejo químico e as condições climáticas para ocorrência de giberela no trigo

O cultivo do trigo é de extrema importância para a sustentabilidade de pequenas e médias propriedades da região Sul do Brasil. Dentre os fatores que podem atingir o ciclo da cultura do trigo e afetar sua produtividade e qualidade, a giberela encontra-se como uma das principais doenças fúngicas que atacam a cultura na região Sul do país, devido ao patógeno encontrar-se presente na área, bem como, a ocorrência de variações nas condições ambientais, principalmente de temperatura (15 a 25ºC), umidade relativa do ar (acima de 40%) e a frequência de chuvas, o que favorece o desenvolvimento da doença durante a safra de inverno.
COMPARTILHE ESTE ARTIGO
FacebookTwitterLinkedinWhatsApp


Giberela X Clima:


A chuva acima do normal foi o fator determinante para a alta intensidade da doença na cultivar Tbio Sossego. Esse fato foi associado com o estádio de antese, que permitiu uma incidência suficiente para discriminar os tratamentos, quanto a eficácia de controle e produtividade (Gráfico 1).


Gráfico 1: Incidência de giberela (%) nas espigas de trigo e controle (%) da doença em relação à Testemunha, Entre-Ijuis, 2019.




Clima X Inoculo:


A alta incidência da doença também pode estar correlacionado com a cultura no inverno anterior (azevém). Por ser um fungo saprofítico, o mesmo sobrevive em restos culturais de diferentes culturas (REIS et al., 1995). Contudo, Almeida (2006) estudando formas de manejo em plantio direto observou que em anos de epidemia de giberela, o fator preponderante para ocorrer maior incidência da doença, foi à condição climática no momento do espigamento das plantas e não a quantidade ou origem de palhada da cultura antecessora.



Clima X Infecção:


A giberela infecta as espigas em condições de alta umidade favorecidas por períodos longos de molhamento, ou seja, superior a 30 horas (DEL PONTE, 2007). Bem como, as temperaturas entre 20 e 30ºC aliadas a este fator favorecem a infecção do fungo (DEL PONTE et al., 2004), e isto está em consonância com a precipitação pluvial e a temperatura no período relacionado ao espigamento e a antese no local do experimento realizado nesta pesquisa.


O aumento de liberação de esporos ocorre durante e até seis dias após a chuva, embora sejam liberados na ausência desta. A chuva dispararia a maturidade final de ascosporos e peritécios antes da liberação. Segundo estudos de Paulitz (1996), chuvas leves temporariamente retiraram os esporos do ar, enquanto que chuva contínua de grande intensidade promove o mesmo efeito por um período mais prolongado. Portanto, considera-se o período de chuva durante a antese, um fator altamente contribuinte para a infecção do patógeno.



Infecção X Chuva:


Durante este estudo, a ocorrência de precipitações três dias anteriores e posteriores aos períodos de aplicação dos tratamentos indicam condição de molhamento favorável ao patógeno (Figura 1). Além da condição de molhamento, a temperatura também favoreceu a enfermidade.



Nos meses de setembro e outubro as temperaturas médias ficaram em 16,4 °C e 20,8°C, mantendo-se em faixas adequadas para o desenvolvimento e, portanto, à ocorrência da epidemia de giberela na cultura, causando instabilidades da safra de trigo. Em setembro o volume total de precipitação foi de 82,6 mm. Já em outubro o volume foi mais elevado, fechando o total de 305,8 mm. Em geral, períodos de três dias contínuos de chuva e temperaturas médias acima de 17ºC predispõem a infecção. Esses fatores foram predominantes para a incidência da doença na área avaliada.


Dentre os demais tratamentos observou-se que o T2 (5% antese) e o T5 (5% de antese; 5% de antese + 15 dias) apresentaram ser estatisticamente semelhantes, mostrando serem os piores tratamentos de épocas de aplicação de fungicida do experimento. Apesar de em ambos os tratamentos terem sido efetuadas as aplicações em 5% de antese, no T2 não ocorreu a próxima aplicação e no caso do T5 ocorreu, porém foi tardia, não sendo suficiente para o controle da doença. De acordo com Reis et al. (1996), o melhor controle é observado quando se realiza aplicação de fungicida no momento em que o trigo apresenta maior proporção de espigas com anteras expostas, ou seja, aproximadamente aos oito dias desde o começo do espigamento.


Reis (1988) analisou a desuniformidade da antese do trigo, onde observou que a duração da mesma pode ser de quatro dias em uma espiga, de 12 dias em uma planta e de até 25 dias em uma lavoura. A desuniformidade da floração pode ser um dos motivos do baixo nível de controle obtidos referentes as épocas de aplicações dos fungicidas no campo. Uma eficiência maior talvez possa ser obtida utilizando-se cultivares com floração uniforme.


Quando se compara os resultados obtidos nos tratamentos T4 (5% de espigamento; 5% de antese) e T10 (5% de espigamento; 5% de antese; 5% de antese + 15 dias) observa-se que os mesmos também apresentaram porcentagens estaticamente semelhantes. Sendo que, ambos os tratamentos aconteceram aplicações em 5% da antese, porém no T4 houve uma aplicação anterior à antese, no espigamento. Já no T10 não teve essa aplicação e sim uma aplicação posterior, sendo 15 dias após 5% da antese. O fator dose no T10 não contribuiu para o aumento de eficácia.


Ao analisar as condições climáticas do período das aplicações dos tratamentos T4 e T10, verificou-se que as mesmas foram favoráveis à infecção, podendo ter causado um aumento da densidade de inóculo no ar, principalmente pela frequência de chuvas ocorridas nos 4 dias anteriores a aplicação do tratamento. Devido a isso, a incidência da doença obteve as melhores condições para progressão, portanto, ambos os tratamentos se mostraram ineficiente estatisticamente para o controle da doença. Não foi responsiva a aplicação anterior a antese (espigamento) nas condições climáticas apresentadas. Da mesma forma que, Milus & Parsons (1994) verificaram em seus estudos que os fungicidas quando aplicados antes da antese não têm efeito sobre a doença.


As variáveis dos tratamentos T3 (5% de espigamento; 5% de antese; 5% de antese + 15 dias) e T7 (5% de espigamento + 7 dias; 5% de antese) apresentaram os valores de porcentagem de giberela estatisticamente semelhantes. Sendo realizadas aplicações em ambos os tratamentos no período anterior à antese, porém, no T3 a aplicação foi realizada em 5% do espigamento e no T7 a aplicação foi realizada após 7 dias do 5% do espigamento. Da mesma forma que, os períodos de antese coincidiram com os períodos de molhamento e condições de temperatura elevadas. Entende-se que estes fatores aliados podem ter favorecido a infecção do patógeno refletindo em alta incidência e severidade da doença. Sugerindo então o motivo da baixa eficiência de ambos os tratamentos no controle da doença.


Ao comparar os tratamentos T3 (5% de espigamento; 5% de antese; 5% de antese + 15 dias) e T10 (5% de espigamento; 5% de antese; 5% de antese + 15 dias), os momentos de aplicação foram os mesmos, porém no T10 a dose de fungicida utilizada foi de 1,0L/há, já no T3 utilizou-se 0,75L/há de dose do mesmo produto. Contudo, os resultados mostram que o tratamento com dose menor apresentou significativamente uma porcentagem inferior de giberela comparado ao tratamento com dose mais elevada. Com isso, entende-se que não há necessidade de aumento de dose do fungicida sob esse mesmo posicionamento de controle.


Nos tratamentos T6 (5% de antese; 5% de antese + 7 dias), e T8 (5% de espigamento + 7 dias; 5% de antese; 5% de antese + 7 dias) os valores de porcentagem de giberela apresentaram-se estatisticamente semelhantes. Em ambos foi realizada a aplicação em 5% de antese e outra após 7 dias, mostrando que a aplicação que foi realizada no T8 anterior a 5% da antese, não diferenciou estatisticamente do outro tratamento, sendo no caso então, desnecessária essa aplicação anterior para o controle da doença.Reis (1988) relata que duas aplicações durante a antese poderiam ter melhor efeito. Portanto, nos resultados desta aplicação verificou-se que duas aplicações durante a antese mostraram ser o segundo melhor tratamento do experimento.


O tratamento 10 (5% de espigamento; 5% de antese; 5% de antese + 15 dias) mostrou que mesmo com o aumento de dose do fungicida (1l/ha), não foi possível compensar a falha de posicionamento. Com isso, o momento da aplicação ainda é mais importante do que o aumento de dose.


Assim, ao observar as condições meteorológicas, verifica-se que nos dias 17/09/2019 e 02/10/2019 as precipitações coincidiram com as aplicações dos tratamentos, porém as aplicações ocorreram anteriormente à chuva, o que indica que a proteção do fungicida anterior ao período de molhamento mostrou-se conveniente nos tratamentos T6, T8 e T9 (5% de antese; 5% de antese + 7 dias; 5% de antese + 15 dias).


As menores incidências de giberela foram detectadas nas espiguetas do tratamento 9 (5% de antese; 5% de antese + 7 dias; 5% de antese + 15 dias), com quase 10%, resultando na maior eficácia encontrada. Este foi estatisticamente, o melhor tratamento do estudo, refletindo também na maior produtividade (Gráfico 2).


Fazendo um paralelo entre aplicação, estádio da planta e clima, foi possível observar que o início da antese ocorreu em ambiente seco (1° aplic.). Logo após a 2° aplicação, ocorreram 8 dias com chuvas e dias nublados e depois tempo seco novamente, na 3° aplicação.



Conclusão:


Em suma, a análise mostra que a 2° aplicação, antes do início das chuvas nas anteras, foi fator determinante para impedir o aumento da incidência de giberela. Esta foi a única diferença para o tratamento T5, porém este com quase 30% a menos de controle. Possivelmente, neste tratamento 9, a proteção das espiguetas foi máxima, mostrando que o período ideal de aplicação deve ser estendido, a medida que as anteras são emitidas, especialmente se houver precipitação nesta fase.


Gráfico 2: Resultados da produtividade obtida no experimento, em função dos tratamentos, Entre-Ijuis, 2019.



Foto de capa da matéria: Embrapa.

Developed by Agência Jung
X

Inscrição PAP Digital Versão BETA

O PAP é uma ferramenta desenvolvida por consultores 3tentos para produtores rurais
*Campos obrigatórios
Enviar
Logo 3tentos Original em Vetor

Mande sua mensagem

Selecione um assunto
Comercial Insumos
Comercial Grãos, Óleo e Farelo
Trabalhe Conosco
Indústria de Extração e Biodiesel
*Campos obrigatórios
Enviar
Logo 3tentos Original em Vetor
Entrar em contato
CotaçõesCotações
Soja
Dólar
Bolsa Chicago
Referência: 14/05/2021
Produto Último Máxima Mínima Abertura Fechamento %
[CBOT] Arroz 13,42 13,33 -0.22%
[CBOT] Farelo 431,5 423,5 0.00%
[CME Milk Futures] Leite 18,87 18,99 18,87 18,98 18,88 -0.79%
[CBOT] Milho 692,5 718,75 685 717,25 685 -4.73%
[CBOT] Óleo de Soja 68,59 68,41 +0.54%
[CBOT] Soja 1602,5 1625 1620,75 1625 1603,75 -0.53%
[CME Lean Hog Futures] Suínos 111,15 111,575 111,15 111,45 111,15 -0.29%
[CBOT] Trigo 737 730,25 727,25 730,25 727,25 +0.10%
Referência: 13/05/2021
Produto Último Máxima Mínima Abertura Fechamento
[CME Milk Futures] Leite 18,95 19,1 18,94 19,05 19,03
[CBOT] Arroz 13,765 13,36
[CBOT] Farelo 424,7 448 427 448 423,5
[CME Lean Hog Futures] Suínos 111,475 111,925 111,2 111,775 111,475
[CBOT] Soja 1612 1657 1598 1657 1612,25
[CBOT] Milho 729 776,5 709,75 757,5 719
[CBOT] Óleo de Soja 69,05 71,91 70,85 70,85 68,04
[CBOT] Trigo 730 756,5 737 750 726,5
Frequência de atualização: diária